12 de julho de 2013

COMO AJUDAR SEU FILHO A LIDAR COM A VAIDADE


Sua filha capricha nas roupas e na maquiagem para ir a um passeio ou a uma festa? Seu filho gosta de mostrar as medalhas que conquistou no futebol e quer cortar o cabelo como seu artista favorito? As crianças, assim como os adultos, também demonstram vaidade, ou seja, se esforçam para atrair a atenção e a admiração dos pais, amigos e professores. Quando praticada na medida certa, a vaidade é muito saudável, pois ajuda a construir a autoestima e se torna um incentivo para o aperfeiçoamento de talentos e qualidades. Mas é preciso ter cuidado para não ultrapassar os limites. Quando a vaidade cresce além da conta, exerce o efeito contrário: ao invés de melhorar a autoestima, provoca frustrações. Crianças muito preocupadas com a própria imagem sentem que nunca são suficientemente bonitas ou bem sucedidas nas suas atividades. 

Veja os conselhos dos especialistas para orientar seu filho a aproveitar apenas o lado bom da vaidade.

1. Meu filho é vaidoso. Isso é um problema?

A vaidade é o desejo natural de atrair a atenção e a admiração de outras pessoas. Ela é boa quando impulsiona o crescimento e o desenvolvimento da criança. Mas se torna ruim quando começa a dominar a rotina e se torna um objetivo de vida. "Isso porque a criança passa a se preocupar demais com a própria imagem e muitas vezes acaba se frustrando com isso. Ela capricha para ficar bonita, mas sente que nunca é suficiente e precisa fazer mais e mais para se sentir bem. Precisa consumir mais e quanto mais consome, mais aparecem outras coisas para consumir", explica Andrea Ramal, doutora em Educação pela PUC-Rio.

2. A vaidade está ligada só à beleza?

A vaidade não está só ligada à beleza. "Quando se fala em vaidade, geralmente as pessoas pensam apenas no aspecto da beleza. Mas há também outros tipos de vaidade como, por exemplo, a vaidade intelectual, a vaidade da riqueza, do poder, da força física", explica Andrea Ramal, doutora em Educação pela PUC-Rio.

3. Como ensinar as crianças a lidar com a beleza?

Ter cuidados consigo mesmo e gostar de estar bonito é muito saudável e importante para o exercício da autoestima, conforme explica Marta Campos, coordenadora de apoio pedagógico da Escola Viva, de São Paulo. "É importante a criança ter cuidados consigo mesma e ela adquire isso sendo bem tratada e orientada. É importante que ela aprenda como se apresentar em diferentes situações. Se ela se apresenta bem, gera uma boa recepção. Consequentemente, se sente bem, o que favorece o desenvolvimento de uma boa autoestima e estimula a prosseguir nessa direção", diz Marta. Mas é necessário mostrar também que a beleza não é um objetivo de vida e que não se deve viver em função dela.

4. Quais cuidados devo ter na hora de escolher as roupas e cosméticos do meu filho?

O importante é que os pais fiquem atentos para que a vaidade não exceda os limites, prejudicando o desenvolvimento físico e psicológico da criança. Nada de sapatos de salto, que podem afetar a musculatura e a coluna ainda em desenvolvimento. Atenção também aos cosméticos, que precisam ter formulação adequada para crianças. E é necessário cuidado na hora de escolher as roupas, que não devem ter apelo sensual ou imitar as de adulto. Segundo Andrea Ramal, doutora em Educação pela PUC-Rio, um dos lados ruins da vaidade infantil é quando ela ganha o aspecto da erotização ou da entrada precoce no mundo adulto. "A criança ainda não tem estrutura psicológica para exercitar esses papeis e com isso, acaba queimando etapas de seu desenvolvimento. Dessa forma, a vaidade perde seu caráter valorizador e se torna justamente o contrário: desvaloriza a criança, transformando-a em um objeto", diz Andrea Ramal.

5. Fala-se muito da vaidade feminina. Mas os meninos também podem ser vaidosos?

A vaidade não é uma exclusividade das meninas. Meninos também podem ser vaidosos. "A vaidade dos meninos de maneira geral está mais ligada à força física, aos músculos, ao desempenho em esportes ou jogos. Mas eles também podem ter vaidade relacionada com a aparência. Tanto é que muitas vezes são influenciados por artistas ou jogadores de futebol a imitar o corte de cabelo ou o jeito de se vestir", diz Andrea Ramal, doutora em Educação pela PUC-Rio.

6. Como lidar com a vaidade dos meninos?


É importante que tanto os pais quanto a escola não estimulem de maneira equivocada a cultura competitiva entre os meninos, valorizando apenas os que se saem bem nos esportes ou jogos e excluindo aqueles que não têm bom desempenho nessas atividades. "É preciso explorar a cultura da inclusão. Mostrar que enquanto um se sai bem em campo, jogando, o outro tem habilidade para organizar um campeonato ou incentivar a equipe. É preciso deixar claro que cada um tem seus talentos e que a diversidade de talentos enriquece a todos", diz Andrea Ramal, doutora em Educação pela PUC-Rio.

FONTE: EDUCAR PARA CRESCER

Nenhum comentário:

Postar um comentário